Google+ Followers

sábado, 20 de abril de 2013

Livro: "O Diabo dos Números"


O Diabo dos Números
De Hans Magnus Enzensberger
Primeiras Cinco Noites

O Livro: “O Diabo dos Números” conta história de um menino chamado Robert que durante algumas noites, sonha com um velhinho que se diz o diabo dos números, seu nome é teplotaxl. Na primeira noite Robert parece estar irritado com seus sonhos porque sempre eles são os mesmos, mas é então que aparece o diabo dos números e ele sente-se feliz porque não está mais sonhando os mesmo sonhos.
Robert a princípio não acredita na existência em seu sonho do diabo dos números e reclama que odeia tudo que tem a ver com matemática. E Robert conta ao diabo dos números sobre seu Professor de Matemática que odeia tudo que tem a ver com a Matemática. E Robert continua contando sobre seu Professor e seu hábito de comer escondido na sala de aula, rosquinhas.
E o diabo dos números diz não querer falar nada sobre o seu Professor de Matemática e a partir daí irá tentar mostrar a Roberto que aprender Matemática não significa fazer apenas contas, mais que elas são importantes assim como aprender a tabuada. Para começar o diabo dos números propõe a Robert iniciar pelo número 1 e com ele diz a Robert pode-se fazer quase tudo. Ele irá inicialmente mostrar-lhe os algarismos de 2 a 9 de uma maneira diferente e utilizando uma calculadora.
A partir da segunda noite Robert começa a sonhar com o diabo dos números e este vai inicialmente falar-lhe da importância do zero e do fato dos Romanos não conhecê-lo e por isso utilizarem tantos algarismos romanos (letras). Em seguida irá tentar argumentar com Robert sobre o fato do número 0 (zero), fazer diferença em uma sequência numérica, o sistema de numeração posicional e a utilização da potenciação para simplificar a multiplicação de um mesmo número.
Na terceira noite Robert percebe que não é fácil dormir para começar a sonhar com o diabo dos números, mas logo que consegue dá de encontro novamente com ele, que logo lhe propõe ensinar a dividir. Robert a princípio questiona dizendo que na hora de dividir, sobra resto e é uma chateação e o diabo dos números tenta ajudá-lo a sanar as suas dificuldades com a divisão, após uma pequena divergência consegue que seu aprendiz o escute e logo em seguida irá apresentar os números primos que são números com os quais, matemáticos vem quebrando a cabeça há mais de mil anos. O diabo dos números irá mostrar a Robert de uma maneira bastante didática os números primos, através do Crivo de Erástostenes e de algumas “curiosidades”.
Na quarta noite para vir o sono muito mais rápido e sonhar com o diabo dos números é mais fácil. Para Robert é sempre uma surpresa diferente e repleta de novidades, desta vez ele irá novamente dividir utilizando uma calculadora e poderá observar as frações decimais, as frações decimais periódicas e a noção de limite. Novamente o diabo dos números irá mostrar a Robert os números que saltam, elevando-se ao quadrado, ao cubo e saltar para trás, extraindo a raiz quadrada. Através de outros exemplos: sequências de caixinhas dispostas de maneira a utilizar tanto a potenciação quanto à radiciação para poder determinar á próxima ou a anterior e a diagonal do quadrado na qual ele faz referência ao número insensato (número irracional) e neste caso uma referência ao Teorema de Pitágoras. 
Na quinta noite o diabo dos números aparece de maneira novamente inusitada, em cima de uma palmeira com muitos cocos e o diabo dos números propõe a Robert que ele suba e após beberem a água começam a jogar os cocos e estes de forma bastante interessante caem no chão um após o outro formando triângulos, e a sequência com números triangulares logo estará formada e o diabo dos números irá mostrar a Robert que há muita matemática fazendo-se observações e assim novamente despertando as curiosidades e as possibilidades de argumentações. O diabo dos números diz a Robert que não há somente números triangulares e sim tantos outros com comportamento de uma sequência geométrica.
Na sexta noite o diabo dos números irá comentar sobre um amigo seu chamado Bonatchi um italiano que morreu faz muito tempo, um dos primeiros a compreender o 0 (zero). Novamente trata-se de uma sequência, conhecida como sequência de Fibonacci. Em seguida irá argumentar com Robert, que a natureza se comporta por vezes de maneira matemática. Robert comporta-se de maneira bastante diferente durante o dia, desenhando coelhos e murmurando números deixando sua mãe bastante intrigada.
Na sétima noite Robert antes de dormir coloca um pincel atômico no bolso do pijama. Após adormecer o diabo dos números irá construir com ele, utilizando cubos com algo diferente brilhando dentro deles, um triângulo, este conhecido como triângulo de Pascal. Onde parece que a matemática nunca tem fim, novamente ira perceber os números triangulares, os números que “saltam” e os números de Bonatchi.
Na oitava noite Robert irá sonhar que esta em sua sala de aula e seu professor será exatamente o diabo dos números, este irá dispor todos os alunos de sua turma para ensinar noções de permutação (troca de lugares), análise combinatória, “Bum!” (fatorial), combinação sem repetição (apertos de mão), entre outros conceitos. É interessante perceber que Robert pensa diferente do que pensava anteriormente, ele percebe que não se pode confiar naquilo que se sonha, mas pode-se acreditar sim, nos números.
Na nona noite Robert estava com uma gripe muito forte e após ler alguns gibis, ficou muito cansado, adormeceu e teve um sonho muitíssimo estranho, sonhou estar com febre e o diabo dos números estava lá ao seu lado. Neste sonho irá desfilar segundo as ordens do diabo de números, várias sequências de números e cada uma com uma cor diferente. A cor branca representa os números em ordem crescente, depois são os ímpares de vermelho, os números primos de verde, e assim por diante. Até que depois de vários outros exemplos se utilizando: números naturais, séries aritméticas, sequências, números ímpares, frações simples, entre outros, ele irá acordar e a febre já terá passado.  
A décima noite Robert sonha que está em cima de uma mochila, no meio da neve, parecia estar no polo norte e havia em seu sonho um segundo Robert e ele pensou se seria possível em seu sonho sonhar com ele mesmo. Este segundo Robert estava na sua cadeira confortável de vime e estava vendo o primeiro Robert tremer de frio. O segundo Robert, o Robert verdadeiro estava observando que não havia um único floco de neve que fosse igual ao outro, em geral, tinha seis pontas ou raios. E logo em seguida aparece, o diabo dos números e transporta-o em seu sonho para uma sala onde um computador especialmente para ele. Após começar digitando uma sequência, novamente a de Bonatachi, questiona Robert, ele irá navegar em tantos outros assuntos interessantes como: os cristais de neve, curvas de Koch, frações contínuas, frações decimais, frações decimais não periódicas, fractais, fórmula de Euler, arestas (linhas), limites, malhas, nós (vértices), números insensatos (números irracionais), poliedros, polígonos, octaedro, anel de tetraedros, entre outros.
A décima primeira noite Robert sonha que seu Professor esta correndo atrás dele e de repente são vários Professores Bockel no seu encalço e ele começa então a gritar por socorro e é então agarrado e puxado para uma galeria envidraçada. E novamente o diabo dos números esta naquele local no seu sonho e o conduz a um elevador privativo que sobe para o último andar.
Os dois irão parar num terraço maravilhoso onde Robert irá contar ao diabo dos números sobre o que pensou a respeito de tudo que lhe havia lhe mostrado. E o diabo dos números irá falar para ele que seu tipo de questionamento é aquele que um matemático de verdade faria e que ele mostrou várias coisas a Robert e somente mostrar é fácil e divertido. Conjecturar coisas não foi nada mau, experimentar se a conjectura é verdadeira foi ainda melhor, mas o que importa é a demonstração. E o diabo dos números irá contar a Robert alguns problemas interessantes e que muitos destes ainda não tiveram solução, e que isto significa que a matemática nunca estará pronta e acabada e que sempre haverá algo por fazer.
Robert há algum tempo não sonhava mais com o diabo dos números e vivia tentando buscar soluções para alguns problemas não resolvidos. Uma noite, Robert dormia um sono pesado e tranqüilo quando em seu sonho o diabo dos números bateu com insistência na porta de seu quarto, trazendo consigo um convite para o jantar. O diabo dos números levou Robert voando em suas costas e logo chegaram a um palácio, onde ele como convidado foi apresentado para vários matemáticos importantes e ilustres, dentre eles: Bertrand Russel, Félix Klein, Georg Cantor, Leonardo de Pisa ou Fibonacci, Pitágoras de Samos, Leohard Euler, Carl Friedrich Gauss e Arquimedes de Siracusa.
O diabo dos números se despediu de Robert e logo em seu sonho ele começou a dormir e somente acordou com sua mãe chamando-o para ir a escola. Algo mágico havia permanecido após o último encontro com seu amigo, o diabo dos números, era uma estrela de cinco pontas que indicava que ele permanecia em sua ordem.
Robert adquiriu segurança e perdeu o medo e o trauma da matemática, resolvendo até mesmo os problemas que seu Professor, senhor Bockel propôs em sala de aula.      
         


      
         

Um comentário:

  1. Lúcio boa noite!



    gostei muito da sua iniciativa, foi bacana seu posicionamento frente à tarefa que nos foi imposta, eu para variar um pocuco é claro estou completamente perdida. Me peça para escrever qualquer coisa com dificuldades escreverei, mas para lidar com o blog e outras ferramentas tecnológicas em geral sou um completo fiasco.
    Creio que um dia ainda vou aprender assim espero.
    Meus parabéns... você realizou a tarefa com maestria, aliás como sempre.

    ResponderExcluir